Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

A cautela nas declarações em relação à eleição suplementar é costumeira em Mauro.

O governador Mauro Mendes (DEM) disse abertamente que prefere manter seu vice, Otaviano Pivetta (PDT), no governo do que “perdê-lo” para o Senado. A declaração foi em tom elogioso, mas também estratégico para não comprometer o arco de aliança que sustenta o seu governo e que está cheio de partidos com intenção de concorrer à vaga aberta com a cassação da senadora Selma Arruda (Podemos). Pivetta se antecipou e se lançou como pré-candidato, em dezembro. Pela posição dentro do governo, ele quase que cria uma obrigação de apoio por parte de Mendes, que se equilibra entre aliados como Carlos Fávaro (PSD) e até com nomes dentro do Democratas.

“O Pivetta já conversou comigo e eu sempre fui e sou uma pessoa que respeita a vontade das pessoas. Se for um desejo dele concorrer ao Senado, eu saberei respeitar esse desejo. O meu desejo é que ele continue [como vice-governador]. Ele é um grande companheiro, é um grande político, uma pessoa honesta, dedicada e que tem contribuído muito com o governo, mas se for um desejo dele eu saberei respeitar isso. Por enquanto nós temos que aguardar o andar da carruagem para poder tomar definições”, declarou Mauro Mendes.

A cautela nas declarações em relação à eleição suplementar é costumeira em Mauro e tem dito, reiteradamente, que só se posicionará quando os processos eleitorais estiverem definidos e dentro dos prazos estabelecidos pelo Tribunal Regional Eleitoral que se reúne no próximo dia 22 para marcar a data da eleição. Com isso, ele diz que pretende não interferir no processo usando seu prestígio como governador e que se mantém focado na administração de Mato Grosso.

“Eu tenho muitas ações reais e concretas no dia-a-dia e não preciso perder o meu tempo fazendo ainda especulação política. Nós não sabemos, verdadeiramente, quem serão os candidatos e quando a eleição vai acontecer de fato”, completou.

Dentre as especulações citadas por Mendes, está o nome de Carlos Fávaro, ex-vice-governador de Mato Grosso que concorreu ao Senado por sua chapa, ficando em terceiro lugar e que motivou o processo que terminou com a cassação de Selma Arruda. Atualmente ele é chefe do Escritório de Representação em Brasília e sonha com um novo apoio do governador.

Foi Fávaro que conseguiu uma declaração de Mauro Mendes que parece mais próxima de um apoio. Em dezembro, conforme Só Notícias informou, o governador disse que gostaria de manter a “coerência” em relação às eleições de 2018 e, no finzinho do ano, o governo entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal para que Fávaro assuma o cargo durante a vacância.


Outro problema para Mauro Mendes é seu próprio partido. No Democratas, o ex-governador Júlio Campos trabalha para ter sua candidatura aprovada e Dilmar Dal Bosco também é mencionado. O MDB, que estava quieto, também começa a se articular e busca um nome da baixada cuiabana para apresentar. O PSDB cogita lançar Nilson Leitão que foi candidato no pleito passado e ficou em 5º.

Fonte: Só Notícias

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.