Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O desembargador Sebastião Barbosa Farias, Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), determinou sigilo na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) movida contra o deputado federal Neri Geller (PP) por abuso de poder econômico. A decisão foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico (DJE) do TRE de Mato Grosso. 
Na ação, a Justiça Eleitoral investiga movimentações financeiras incompatíveis com o patrimônio declarado à Receita Federal realizadas entre o parlamentar e o filho Marcelo Piccini Geller. 
Segundo o Ministério Público Eleitoral, Geller teria transferido R$ 4,8 milhões ao filho que também transferiu R$ 2.332.340 ao pai. Ainda segundo a denúncia, teria ocorrido uma movimentação financeira de quase o dobro do total da receita total declarada por Marcelo, no período eleitoral.
Na decisão, o desembargador justificou que o decreto busca preservar as informações dos investigados. “Assim, para preservar a intimidade do Investigado e de terceiros e evitar a espetacularização pela mídia”, diz trecho da decisão.
 
Ainda na decisão, o magistrado acatou o pedido da Procuradoria Regional Eleitoral, autorizando a quebra de sigilo bancário de Marcelo Piccini. “Defiro também, com supedâneo no art. 22, incisos VI, VII e VIII, da Lei Complementar n.º 64/1990, a decretação do afastamento do sigilo bancário de todas as contas de depósitos, contas de poupança, contas de investimento e outros bens, direitos e valores mantidos em Instituições Financeiras de (Sigiloso)”.
Fonte: folhamax.com
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.