Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Mato Grosso deve receber mais de R$ 1,1 bilhão da União referente ao Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus. O valor está previsto na tabela do projeto aprovado pelo Senado Federal no último sábado, em votação que se estendeu por cerca de 6 horas, com 79 votos favoráveis e um contrário. Agora, segue para aprovação da Câmara dos Deputados e deve ser apreciado hoje, em sessão virtual.
Conforme o texto aprovado, o pagamento será feito em quatro parcelas mensais e iguais, no exercício de 2020. A participação de cada estado no recebimento do auxilio é função de variáveis como a arrecadação do Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), população, cota-parte do Fundos de Participação dos Estados (FPE) e valores recebidos a titulo de contrapartida pelo não recebimento de tributos sobre bens e serviços exportados.
Ao todo, o projeto vai direcionar R$ 60 bilhões, sendo R$ 10 bilhões exclusivamente para ações de saúde e assistência social. Deste total, R$ 7 bilhões contemplarão os Estados e R$ 3 bilhões os municípios. O restante do valor será para uso livre, e terá R$ 30 bilhões para estados e Distrito Federal, e a outra parcela de R$ 20 bilhões para os municípios.
Além dos repasses, o Senado ainda decidiu que os estados e municípios serão beneficiados com a liberação de R$ 49 bilhões por meio da suspensão e renegociação de dívidas com a União e com bancos públicos e de outros R$ 10,6 bilhões pela renegociação de empréstimos com organismos internacionais, que têm aval da União.
Os municípios também serão beneficiados com a suspensão do pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o final do ano. A decisão foi acrescentada no texto durante a votação, por meio de emenda. A projeção é que o “alívio” seja de aproximadamente R$ 5,6 bilhões nas contas das prefeituras.
Em contrapartida ao projeto, fica proibido o reajuste de salários e benefícios para servidores públicos até 2022, incluindo parlamentares, ministros e juízes, e excetuando servidores das áreas da saúde, segurança pública e das Forças Armadas; proibição de progressão na carreira para os servidores públicos, com exceção dos servidores dos ex-territórios e de cargos estruturados em carreira, como os militares.
Além disso ainda ficou definida a vedação de aumento da despesa obrigatória acima da inflação, exceto para covid-19; e a proibição de contratação, criação de cargos e concurso para novas vagas, exceto vagas em aberto e de chefia, e de trabalhadores temporários para o combate à covid-19.
Fonte: Só Notícias/Luan Cordeiro (foto: arquivo/Agência Senado)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.