Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

 Apologia ao estupro: delegado remete à Justiça caso do padre, que acusou menina



Já está na Justiça o possível caso de apologia o estupro contra o padre Ramiro José Parotto, da Paróquia São José Apóstolo de Carlinda (a 724 km de Cuiabá), após afirmar em rede social que a menina de 10 anos, violentada por quatro anos pelo tio e que engravidou, tendo que passar por aborto legal, compactuou com o estupro.

O caso foi remetido para o Juizado Especial Cível e Criminal de Alta Floresta, que já marcou uma audiência preliminar para 22 de dezembro, às 13h.

Ao , o delegado Pablo Carneiro disse que já concluiu o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e protocolou o documento, relatando os fatos, no sistema virtual da Justiça mato-grossense nesta quarta (26).

Na tarde de segunda (24), o padre Ramiro foi ouvido pelo delegado, que admitiu ser o autor das postagens que constavam em sua rede social e reconheceu que foi "desagradável e preconceituoso com relação às vítimas de abuso sexual".

O Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) é um procedimento investigativo mais rápido do que um inquérito policial. São alvo do TCO os crimes de menor potencial ofensivo, ou seja, àquelas que dão até 2 anos de prisão ou multa. Para concluir o documento, o delegado pode só constar o depoimento dos envolvidos e o boletim de ocorrência sobre o caso e, em seguida, remetê-lo a Justiça.

O caso

O Padre Ramiro foi alvo de um "bombardeio" de ofensas virtuais depois publicar pelo seu perfil pessoal, no Facebook, que a garota de 10 anos estuprada pelo tio e que engravidou, compactuou com o crime sexual.

“Duvido uma menina ser abusada com 6 anos por 4 anos e não falar. Aposto minha cara. Ela compactuou com tudo e agora é menina inocente. Gosta de dar então assuma as conseqüências”, escreveu em um comentário.

O comentário teve muitos compartilhamentos e o pároco foi alvo de pessoas que não concordaram com a visão. Atacado, Ramiro reclamou de distorções e afirmou ter sido hackeado. O religioso tornou privado seus perfis na rede e, em carta, pediu perdão por acusar a garota.

A Diocese de Sinop, pelo qual a Paróquia de Carlinda está subordinada, decidiu manter o padre na igreja, mas o proibiu de suas atividades religiosas, como ministrar missas e sacramentos.

Fonte:Allan Pereira
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.