Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

 Operação que embasa lista de madeira ilegal foi deflagrada em MT



Mato Grosso é um dos estados brasileiros onde a Polícia Federal deflagrou a Operação “Arquimedes”, que motivou o presidente Jair Bolsonaro a ameaçar a divulgar uma lista de países que compram o material extraído de forma irregular da Amazônia.

No começa desta semana, durante o seu discurso na 12ª Cúpula do Brics - grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul -, o presidente criticou os “ataques” que o país sofre em relação às queimadas e ao desmatamento na região amazônica.

A lista dessas nações tem como base a operação “Arquimedes”, deflagrada ainda em 2017, com o apoio do Ministério Público do Amazonas e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama).

A primeira etapa durou 30 dias e apreendeu mais de 444 contêineres no Porto de Manaus (AM). Eles estavam carregados com cerca de 8.000 m³ de madeira em tora, cujos documentos estavam irregulares.

A quantidade era equivalente a 1.500 quilômetros, a distância entre Cuiabá e São Paulo.

Na ocasião, a PF informou que a carga pertencia a mais de 60 empresas madeireiras e seria destinada ao uso doméstico e internacional.

No total, a PF encontrou 140 contêineres que seriam exportados para a América do Norte, Ásia e Europa.

A “Arquimedes” teve novas etapas, com a segunda sendo realizada em abril do ano passado.

Na ocasião, os agentes cumpriram um mandado de busca e apreensão na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), em Cuiabá.

O objetivo foi investigar a corrupção entre servidores, engenheiros florestais, detentores de planos de manejo e proprietários de empresas madeireiras.

À época, a PF atuava em duas principais frentes de investigação criminal por meio de dois inquéritos policiais: a primeira, sobre a extração, exploração e comércio ilegais de madeira, e, a segunda, sobre a corrupção entre servidores de órgão ambiental estadual, engenheiros ambientais, detentores de planos de manejo e proprietários de empresas madeireiras.

Sobre os investigados recaiam crimes como os de falsidade ideológica no sistema Documento de Origem Florestal (DOF), falsidade documental nos processos de concessão e fiscalização de Plano de Manejo Florestal Sustentável, extração e comércio ilegal de madeira, lavagem de bens, direitos e valores, corrupção ativa e passiva e de constituição de organização criminosa.

Ainda na ocasião, a Sema informou que colaborava com a operação e todas as demandas foram prontamente atendidas para que os investigadores possam apurar as suspeitas de inserção de créditos florestais fictícios nos sistemas de comercialização e transporte de produtos florestais.

Garantiu ainda que para fortalecer o trabalho de investigação e repressão das ilegalidades, agentes da Polícia Federal designados pela superintendência do órgão em Mato Grosso participariam de um curso de capacitação para compreender melhor o funcionamento dos sistemas da Sema envolvidos na aprovação de projetos florestais e autorizações de exploração florestal ou desmatamento (Simlam, Simcar e Sisflora).

A finalidade era a de assegurar que o órgão de investigação tenha acesso às informações com mais rapidez e precisão.

Até o momento, a operação resultou na apreensão de milhares de metros cúbicos de madeira ilegal de mais de 60 empresas em portos de Manaus e no cumprimento de mandados de prisão temporária e preventiva de dezenas de pessoas. As investigações indicaram a existência de verdadeiro balcão de negócios criminosos em torno da concessão e fiscalização de planos de manejo florestal naquele estado.

Também foram ajuizadas 25 ações judiciais em desfavor de 65 investigados que se tornaram réus, a partir dos elementos probatórios iniciais coletadas no cumprimento dos primeiros mandados de busca e apreensão, prisão, interceptação telefônica e quebra dos sigilos telemático, bancário e fiscal.

Segundo o MPF, quase todas as prisões e medidas cautelares pessoais contra alvos estratégicos foram mantidas pelas mais diversas instâncias do Poder Judiciário, com a responsabilização de pessoas envolvidas no esquema pela prática de graves danos ambientais à floresta amazônica brasileira.

fONTE:www.diariodecuiaba.com.br
Marcadores: , ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.